29 de maio de 2009

Te olho nos olhos...

Ana Carolina
Composição: Ana Carolina

Te olho nos olhos e você reclama
Que te olho muito profundamente.
Desculpa, tudo que vivi foi profundamente...
Eu te ensinei quem sou...
E você foi me tirando...
Os espaços entre os abraços,
Guarda-me apenas uma fresta.
Eu que sempre fui livre,
Não importava o que os outros dissessem.
Até onde posso ir para te resgatar?
Reclama de mim, como se houvesse a possibilidade...
De me inventar de novo.
Desculpa... se te olho profundamente,
Rente à pele... a ponto de ver seus ancestrais...
Nos seus traços.
A ponto de ver a estrada...
Muito antes dos seus passos.
Eu não vou separar as minhas vitórias
Dos meus fracassos!
Eu não vou renunciar a mim;
Nenhuma parte, nenhum pedaço do meu ser
Vibrante, errante, sujo, livre, quente.
Eu quero estar viva e permanecer
Te olhando profundamente.

24 de maio de 2009

.ser de outro


É sempre assim. Tudo começa com muita alegria, felicidade, sorrisos de ponta a ponta, entusiasmo. O tempo passa um pouco e tudo que vejo é algo "próximo do fim". Não me sinto mais como no começo (apesar de não fazer tanto tempo assim), conforme vão passando os dias, me sinto mais longe, chata, fechada, sozinha. Não sei ser de outra pessoa, não sei "me compartilhar". No começo houveram muitas conversas, sobre quase todo tipo de assunto. No último encontro*, quase não abri a boca, fui grossa, distante... tive lá minhas horas de "momento ternurinha", fato, mas não sei explicar bem o motivo, mas acontece sempre que encontro alguém*. É difícil pra mim falar dos meus sentimentos, do que eu gosto e principalmente do que eu não gosto. Me apego a opiniões alheias e a aparências, mas imediatamente me lembro de um conselho: ele* nunca vai ser o mais perfeito de todos, nem o mais bonito, nem o mais esperto e inteligente, mas sempre vai ser o que me gosta mais, o que mais quer ver e me fazer feliz. Deve ser o medo de me apegar e me machucar depois, como sempre acontece. É como se fosse uma máscara. Quando sinto medo a coloco para afastar as pessoas de mim, me fecho, interrompo todo um processo que demorou pra acontecer. É difícil passar por esses 'bloqueios', me magoo e acabo deixando a outra pessoa não tão feliz tbm. Me arrependo as vezes de agir dessa maneira, mas como eu disse, é um meio de defesa eu acho. Não faço por maldade (não na maioria das vezes, rs).
Outras coisas me preocupam além disso, ser certinha o tempo todo as vezes cansa! Me preocupo demais em fazer as coisas de maneira correta quando se trata da minha família. Me preocupo com horários, e com o que meu pai vai dizer. Ele não diz diretamente pra mim, ele usa minha mãe pra isso, e é péssimo quando acontece. Se bem que últimamente não tem acontecido tanto que nem das outras vezes, mas me preocupo mesmo assim. E de certa forma, acabo deixando as outras pessoas que estão cmg, chatiadas e irritadas tbm. Eu não sei explicar como me sinto...

21 de maio de 2009


Não sei, as vezes é muito confuso algumas coisas. Quando eu acho que ta tudo bem, que finalmente as coisas vão dar certo, que eu estou otimista é como se eu caísse em mim e voltasse "ao normal". Fico triste, chateada, meio... deprimida e parece que nada mais tem jeito pra mim. Eu estava assim há uns meses atrás, mas aconteceram algumas coisas, sem muitos comentários, que me deixou muito bem, mas de repente tudo volta, as vezes não sei se quero ou se não quero mais, coisas do tipo. É difícil se manter estável e pouco volúvel quando se esta passando por uma fase de mudanças e transformações (mesmo tendo a impressão de que nada esta mudando, mas enfim...). A vontade que eu tenho as vezes, é de deitar e dormir, de não fazer mais nada e desistir de tudo. Mas depois, eu tento me acalmar, e penso nas coisas que são importantes pra mim, e que vão me fazer bem, nas coisas que eu preciso fazer, não pq eu quero, mas que precisam mesmo ser feitas. Tentar cortar o inútil (Inutilia truncat) tbm faz muito bem. é o que eu venho tentando fazer, ao invés de entregar os pontos e fugir da cidade (fugere urbem). Brisa.


*é, pelo visto as aulas de literatura com detalhes em latim estão mesmo fazendo efeito, pelo menos isso neh :) haha


beijocas :*

15 de maio de 2009

'aula de Física;


Hoje foi uma tremenda viagem! Pensei sobre coisas que nunca havia parado pra prestar atenção antes. Imagine se você pudesse voltar, fazer uma viagem para o passado; você chega até a se ver brincando em algum lugar, pequeno. Então, se você conseguiu ir para o passado, é sinal de que o passado existiu e continua existindo, ou seja, o que você fez lá atrás, ainda esta acontecendo, você ainda é pequeno e ainda esta brincando, mas não tem como percebermos isso daqui (do presente). Então, teoricamente, aqui com a gente, no futuro é como se estivesse com vc, te acompanhando, você mesmo, pequeno, andando com você grande O_O É meio estranho, mas se parar pra pensar até que faz um sentido. Agora pense se você fosse para o futuro *-* então, teoricamente o futuro também já existe e nesse caso, tudo que a gente fizer aqui hoje, não vai valer de nada pq já existe um futuro mesmo, entendem? O_O Meio confuso, mas é essa a ideia! Então, no meio dessa confusão de viagens, agora vem uma das maiores perguntas de quem estuda e tenta descobrir respostas para essas perguntas: pq, na nossa geração, não somos capazes de desenvolver uma máquina que nos leve de volta a esses momentos? Uma das explicações mais plausíveis pra isso é a nossa ganância. Certamente, muitas pessoas ao desenvolver esse projeto, caso fossem realmente fazê-lo, se aproveitariam disso tudo, para poder crescer de forma errada e desonesta! o que fazemos aqui, a não ser competir? Já pensou nisso tbm? tudo nos leva a uma competição seja com nós mesmos, ou com outras pessoas, buscamos ser melhores que os outros, competindo por um lugar mais alto, uma roupa, um físico, um homem bonito para "desfilar" ao seu lado... infinitas coisas! Tudo isso surgiu de apenas 40 minutos de aula, com o tema "Gravidade", imaginem a aula de Literatura como deve ser! :b


desabafei,
até loguinho :)
beijos :*

'me deu vontade


Nossa, eu estava aqui mexendo e navegando em sites inúteis e me deu uma vontade louca de escrever :) Sabe, essa semana esta sendo ruim, não vejo a hora que acabe logo, espero ansiosamente por sexta-feira que vem, assim, já vai ter acabado essa ansiedade e mal estar por conta dos acontecimentos. 1º o simulado do Enem de amanhã e domingo, 2º o meu tratamento de canal, que só de pensar em dor, já me da vontade de vomitar, maaaaas, confio no que meu tio disse, anestesia-se e não se sente nada, assim espero, e como espero (yn). Que droga, odeio ter crises de ansiedade, eu não durmo, não me concentro, fico esperando e imaginando mil situações horríveis e o que pode acontecer. É difícil passar por essas coisas, muito mesmo. Mistura vários pensamentos, preocupações, poxa vida! As vezes tenho vontade de abrir um zíper nas minhas costas e sair de mim por um tempo indeterminado. Tipo "fugere urbem", uma f u l g a d a c i d a d e. Não sei o que acontece, no nada quero muito algo ou alguém e depois de pouco tempo, não sinto mais vontade e volta tudo à estaca zero. Minha determinação e vontade de fazer 'a revolução' desaba e eu tenho que começar a reconstruir tudo e mais um pouco. As vezes sinto como se eu não tivesse força, me sinto uma formiga no meio 'dos grandes'. E por falar em 'grandes', como eu odeio comportamentos infantis! Me incomoda o fato haver pessoas com 20 anos nas costas que se acham melhor que Deus e o mundo, que olham pra minha cara só pra ter o gostinho de rir depois, ridículo! Mas td bem, a LIÇÃO vem com o tempo! Não me importo com o tempo, me importo com o que acontece enquanto esse tempo passa; tenho medo.

Como muitos, esse é só mais um post que provavelmente vai ter uma continuação, mas por enquanto fica aqui mesmo, assim como mais essa crise filosófica de leve.

:*

13 de maio de 2009

'song (8).


Sem Conexão Com o Mundo Exterior
Cazuza
Composição: Cazuza / Roberto Frejat


Você pensa cada frase
Quando fala
É na hora errada
Que linha cruzada
Querendo, eu te levo até em casa
Usa o corpo como refúgio
Pra gente se sentir o intruso
Um teatrinho de amor
Se achando a grande atração
Sem direçãoVocê pirou de verdade
Sem amor, sem razão
Baby, que barra pesada
Voce tá sem condução
Sem conexão
Com o mundo exterior
Meu amor'

'um pouco ausente

Epa! Eu estou meio confusa pra poder escrever aqui e consequentemente não estou conseguindo acompanhar a todos os meus seguidores e demais blog's, desculpem a minha ausencia, acredito que logo logo esse "sopro de tempestade" vá embora, como tem que ser as tempestades :)

se cuidem ;]
:*:

10 de maio de 2009

'cool


É estranho. As vezes fica tanto tempo sem acontecer coisas boas que quando acontece, vem tudo de uma vez e chega a dar medo. Nos últimos dias, me dei conta sobre coisas com relação ao cursinho, então resolvi me impor regras. Hoje eu arrumei horários e um esquema que eu vou me esforçar muito pra cumprir; é para o meu próprio bem e eu tenho que colocar isso na minha cabeça até eu me acostumar com o que eu mesma me impus, é importante. As vezes é necessário mesmo abrir mão de lazer e horas a fio na internet, coisas do tipo, por mais complicado que isso seja, não é o fim do mundo, existem coisas piores que isso e eu não vou morrer por mudar uma coisa que vai me fazer bem no futuro ;]
Me sinto esquisita, mas tudo tem sido muito bom últimamente desde aquele* dia. Esse fds foi um daqueles em que da aquele friozinho bom na barriga, mas sempre da um medo de que de tudo errado, mas não deu não, um dia mto bom como há muito tempo não acontecia. Me sinto bem, feeliz porém um pouco insegura com certas coisas, mas tudo se encaixa com o tempo.


Não pensar no que pode acontecer amanhã e esquecer o ontem, só o hoje importa! :)



:*



8 de maio de 2009

diferente'


A cada dia que passa eu me convenço mais e mais de que as pessoas são diferentes do que esperamos que elas sejam. Infelizmente poucos entendem o seu ponto de vista e não da pra agradar a todo mundo. Se você reparar bem, sempre tem dois lados de uma mesma história. De um, fica o que vc acha, os seus sentimentos, os seus objectivos. De outro, as pessoas que você convive, os sentimentos de lealdade e companheirismo. Por uma "força maior", você acaba escolhendo o lado em que fica os seus próprios sentimentos e magoa a outra parte. Depois ficamos chateados por um tempo, ai começamos a pensar e 'aquela' frase ecoa em nossa mente como uma música pra ninar bebê: dê tempo ao tempo, que tudo se resolve. Sim, e se passam alguns dias e como num passe de mágicas tudo volta ao normal entre as duas partes; claro que o 'conflito' não deve ser esquecido e sim, 'arquivado' na memória por um bom tempo. É bom quando as coisas se ajeitam, nós sentimos como se um peso enorme tivesse sido retirado de nossos ombros e aquele clima de "rivalidade" é quebrado por um período indeterminado. As amizades de verdade, mesmo que passem por transformações, nunca perdem a essência. Nós não encontramos amigos, nós os reconhecemos! ;]

2 de maio de 2009


"O que obviamente não presta sempre me interessou muito. Gosto de um modo carinhoso do inacabado, do malfeito, daquilo que desajeitadamente tenta um pequeno vôo e cai sem graça no chão."


{Clarice Lispector}

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails