27 de julho de 2010

Só pra constar

-
Apesar de ser um tanto quanto resistente a mudanças, até que tenho caminhado bem. Estou aprendendo bastante, principalmente a exercitar a minha paciência, o que é mais difícil, claro, ainda mais nas semanas de TPM. As vezes me arrependo do que eu fiz, e pra onde eu me deixei ir, afinal, ninguém sonha trabalhar em uma loja no centro da cidade aos 19 anos de idade, não é? Mas enfim, estou tentando encarar isso como uma experiência de vida, onde eu possa crescer e me desenvolver aprendendo a lidar com as dificuldades que aparecem pelo meu caminho. Com certeza isso me fará mais forte para outras experiências que virão. Estou tentando encarar tudo isso como uma escada que vai me levar até os meus sonhos. Mas enquanto estou caminhando, tento tirar o melhor disso. É bom ter o meu próprio dinheiro. Eu gasto com qualquer coisa, na hora que eu quiser e ninguém da pitaco. Posso me empolgar com cartão de créditos e posso sair... Afinal, quem trabalha? Rs. Mas também não é só porque eu tenho essa "pequena liberdade" que eu vá sair fazendo qualquer besteira. Existem momentos certos para se fazer as coisas. Existe momento pra ouvir e pra falar. Pra brigar e pra se retirar... As vezes, é melhor observar mais e falar menos (acreditem, trabalho com japoneses, sei o que estou falando).
Estou tentando me focar nas coisas que realmente importam. Foco na minha vida e no que estou fazendo dela, no que estou aprendendo... O resto é só resto.
Vou indo, o que aparecer é lucro :)
Enfim... um desabafo só pra constar.
Juro que logo volto com algum texto descente e realmente inspirador :)

-
Fiz Fotolog, quem tiver F/F lá: http://www.fotolog.com.br/petitmonde_ma

18 de julho de 2010

More Than Words

-
Composição: Gary Cherone e Nuno Bettencourt
Mais Do Que Palavras
Dizer "eu te amo"
Não são as palavras que quero ouvir de você
Não é que eu não queira que você diga
Mas se você apenas soubesse
Como seria fácil mostrar-me como você se sente
Mais do que palavras
É tudo o que você tem que fazer para tornar isso real
Então você não precisaria dizer
Que você me ama porque eu já saberia
O que você faria se meu coração se partisse em dois?
Mais do que palavras para mostrar que você sente
Que o seu amor por mim é real
O que você diria se eu jogasse aquelas palavras fora?
Então você não poderia renovar as coisas
Apenas dizendo "eu te amo"
Mais do que palavras
Agora que tentei
Falar com você e fazer você entender
Tudo o que você tem que fazer é
Fechar seus olhos e só estender suas mãos
E me tocar, me abraçar apertado
Não me deixa nunca ir embora
Mais que palavras
É tudo o que eu sempre precisei que você mostrasse
Então você não precisaria dizer
Que me ama porque eu já saberia
O que você faria se meu coração se partisse em dois?
Mais do que palavras para mostrar o que você sente
Que o seu amor por mim é real
O que você diria se eu jogasse aquelas palavras fora?
Então você não poderia renovar as coisas
Apenas dizendo "eu te amo"

10 de julho de 2010

As borboletas no estômago sempre morrem...

-

É, eu sabia que estava chegando ao fim. Demorei pra dar o braço a torcer, não queria aceitar perder ele, porque afinal, sentimentos estavam na parada, né? Eu e meu coração, já estávamos cansados de tanto correr atrás, já estávamos sem fôlego e sem forças pra continuar. Quando um não quer, dois não brigam, não é assim? Então, quando um não quer, dois não ficam juntos... E foi assim... O tempo passou, nos encontrarmos ficou cada vez mais raro e a distância colaborou. Nossos caminhos se separaram, mas mesmo assim, insisti, ainda tinha esperanças de que algo desse certo. Tentei pela última vez, e recebi um "não..." como resposta e então pensei com meus botões: "Ah não! Então chega, foi a última vez! Não da mais, meu coração não aguenta!" e então comecei a falar... Soltei o verbo e disse tudo que estava esperando pra falar olho no olho, mas como percebi que isso não aconteceria mais, teve que ser por aqui mesmo, jeito estúpido e frio de se terminar algo, mas, fazer o que... Acredito que seria pior de outra forma.
É triste quando a pessoa não conversa mais, quando da a entender que não se importa com o que a gente sente, quando desanima e ao invés de falar logo, fica tratando de uma forma seca. Acho que quem faz esse tipo de coisa, não imagina como dói no coração do outro. Minhas escolhas, que ainda não sei se foram corretas ou não, influenciaram para o rumo que as coisas tomaram, só que se eu for analisar friamente, não posso deixar de tentar por conta de outra pessoa. Melhor "um pássaro na mão do que dois voando", acho que isso ajuda a resumir tudo. Mas eu tenho a perfeita noção de que tudo que eu fiz, falei e tentei foi de coração, corpo, mente e alma! Disso ninguém pode duvidar, pois quando gosto de alguém, eu gosto de verdade, me entrego. Acredito, apesar de tudo, que tenha sido da mesma forma com ele. SÓ me restaram as boas lembranças e a nossa música: Luz dos Olhos, do meu queridíssimo Nando Reis!
Estou triste, chateada, irritada, brava... Preocupada, pensativa. Estou tudo e ao mesmo tempo nada. É sempre assim nos finais. Mas logo passa. É preciso um fim para um novo começo, certo?

9 de julho de 2010

Caio fala por mim...

-

"As coisas sempre prestes a serem apanhadas. E você eternamente prestes a apanhá-las. Como uma sina. Sempre prestes."

"Porque acredito ainda em certas coisas bem limpinhas que quero preservar em mim."

"Prefiro reconhecer com o máximo de tranquilidade possível que estou só do que ficar à mercê de visitas adiadas, encontros transferidos..."

"Quando se deseja realmente dizer alguma coisa, as palavras são inúteis. Remexo o cérebro e elas vêm, não raras, mas toneladas. Deixam sempre um gosto de poeira na boca - a poeira do que se tentava expressar, e elas dissolveram. Quanto mais palavras ocorrem para vestir uma idéia, mais essa idéia resiste a ser identificada. As sucessivas roupas sufocam a sua nudez. E todas as palavras são uma grande bolha de sabão, às vezes brilhante, mas circundando o vazio.Ah, se eu pudesse escrever com os olhos, com as mãos, com os cabelos - com todos esses arrepios estranhos que um entardecer de outono, como o de hoje, provoca na gente."

"Continuo a pensar que quando tudo parece semsaída, sempre se pode cantar.Por essa razão escrevo."

"Hoje existir me dói feito uma bofetada"

"Amor? Não sei. É meio paranóico. Parece uma coisa para enlouquecer a gente devagar."

"Gosto de pessoas doces, gosto de situações claras; e por tudo isso, ando cada vez mais só..."

"Quanto a ti, já reparaste como o mundo parece feito de pontas e arestas? Já chamei tua atenção para a escassez de contornos mansos nas coisas? Tudo é duro e fere."

"O que hoje é drama, sempre, amanhã estará quieto na memória."

"Não estou fazendo nada errado só estou tentando deixar as coisas um pouco mais bonitas."

"...E sabia que de alguma forma ele continuava ali. Miúdas crateras, gretas polpudas. Em algum ponto da cama, do quarto, da mente, do espaço."

"... eu tenho uma porção de coisas pra te dizer, dessas coisas assim que não se dizem costumeiramente, sabe, dessas coisas tão difíceis de serem ditas que geralmente ficam caladas, porque nunca se sabe nem como serão ditas nem como serão ouvidas, compreende?”

Enfim..., Caio é a única pessoa no mundo que parece me entender...

6 de julho de 2010

"Sem volta"

-
É, Segunda-feira eu fui fazer o meu exame admissional... De certa forma não tem mais volta. Agora preciso ficar onde estou por um tempo considerável. Esta sendo um começo complicado, ainda estou cheia de dúvidas e sem muito apoio para continuar. As pessoas pegam no meu pé e tudo o que eu falo é levado para um lado ruim, e então começa uma perseguição com sermão atrás de sermão. É um saco todo mundo reparando em roupa, jeito de andar de se vestir, se eu tomo refrigerante ou suco e blábláblá! Ter pessoas, além de mim mesma, controlando minha vida é a pior coisa. Mas agora não adianta mais chorar pelo leite derramado. A única coisa que eu posso dizer, apesar de tudo, é que vou tentar fazer o meu melhor e do meu jeito.
Começos são assim mesmo... Fazer o que.

4 de julho de 2010

-
Luan Santana - Você Não Sabe O Que É Amor
Composição: Sorocaba.
Não use mais o plural
Não fale de nós dois como se tudo ainda fosse igual
Não tente se desculpar,
Você não tem moral pra me dizer que sabe o que é amar
Te juro, nunca mais
Nunca mais vou me entregar
Pode ir, tudo bem
Você não sabe o que é gostar de alguém
Pode rir, tô legal
E o que eu sofri espero que não sofra igual
Fiquei mal mas passou
Você não sabe o que é amor
Não fale mais do futuro
Não fique aí pensando que eu giro em torno do seu mundo
Não vamos mais se enganar
Tem marcas nessa vida que o tempo não vai apagar
Eu te juro, nunca mais, nunca mais vou me entregar
Pode ir, tudo bem
Você não sabe o que é gostar de alguém
Pode rir, tô legal
E o que eu sofri espero que não sofra igual
Fiquei mal mas passouVocê não sabe o que é amor...
"Olhando em meu olhar você vai perceber que
não há mais tempo pra nós dois
Eu te amei do jeito mais profundo que alguém
pode amar outra pessoa
Mas eu desisto de vocêAcabou! acabou..."
Pode ir, tudo bem você não sabe o que é gostar de alguem
Pode rir tô legal
E o que eu sofri espero que não sofra igual
Fiquei mal mas passou
Você não sabe o que é amor
Pode ir, tudo bem
Você não sabe o que é gostar de alguém
Pode rir, tô legal
E o que eu sofri espero que não sofra igual
Fiquei mal mas passou
Você não sabe o que é amor...

Eu e as mesmas coisas de sempre

-

Mal tenho aparecido por aqui. É que sabe o que é, gente? Estou tão perdida! Ando pensando em muitas coisas. Estou em uma fase onde estou tendo que fazer escolhas (sérias!) e assumir responsabilidades (mais sérias ainda!).
Depois que pedi demissão do escritório (não sei se vocês se lembram disso Oo') eu fiquei um tempo sem emprego. Estava tudo bem, só estudando e fazendo o que tinha que fazer, sem sair muito, sem muita animação, até que eu recebi uma proposta para ir até uma loja, pra ver como é. Sem ter noção de como funcionava, eu fui e aceitei. Dois dias depois já estava de cabelo em pé, e começando a duvidar da minha capacidade de resolver e aprender as coisas. Dentro de 2 meses as duas funcionárias (que pediram demissão no mesmo dia) iam ir embora, e a partir de então, eu seria a encarregada dali pra frente, de tudo o que elas faziam. Contrataram outra pessoa para ficar junto comigo, que é bem difícil de se lidar, tem um jeito bem irritante e as vezes abusa da minha boa vontade e paciência. As 2 foram embora e estou sozinha com essa outra doida que é mais atrapalhada que eu (mas no fundo, BEM no fundo, é uma boa pessoa...rs).
Então, me vejo agora, prestes a ser registrada. Sim, o meu primeiro registro em carteira. É bom, experiência... MAS, eu estou muito insegura ainda, com medo de não conseguir fazer o que tenho que fazer. A marcação em cima de mim esta muito forte. Ninguém ainda esta acostumado com o meu jeito, e tudo o que eu falo, encaram como se eu estivesse respondendo e desacatando ordens. Mas não é isso, eu juro! Eu sou assim, kct. Desligada, as vezes falo sem pensar, as vezes resmungo demais, mas na maioria das vezes (que eu me lembre), não é de coração.
É difícil. Parece que quanto mais eu faço, menos agrado. As vezes penso que eu deveria ter ido embora enquanto dava tempo... Mas por medo de desistir (mais uma vez) eu acabei ficando por lá e me envolvi muito, tanto que agora não tem mais jeito. Eu não vou deixar ninguém na mão. A essa altura do campeonato, é mais fácil eu "só viver" e deixar que o tempo (sempre o tempo) resolva tudo e me envie respostas coerentes para os meus "porquês". As vezes da vontade de mandar todo mundo pro inferno, mas ai penso que é bom eu ir parando de reclamar, porque tem tanta gente ai precisando das coisas... E eu meio que reclamando de barriga cheia! Só que eu não sou de ferro. Tenho sentimentos, que aliás, são bem sensíveis (ainda mais no alge da minha TPM!).
Em meio a toda essa chuva de pensamentos, até reconsiderei a possibilidade de voltar a visitar a minha psicóloga, rs. Talvez conversar com alguém que estudou para entender a cabeça confusa de adolescentes e afins, ajude, pelo menos, a desabafar. Apesar de tudo, também penso que se eu não começar de algum lugar a fazer alguma coisa, vou começar de onde? Quando vou começar a construir a minha vida fora das asas da minha mãe e fora das paredes do meu quarto?
Não sei se eu fiz a escolha certa em ter ficado por lá, ou se fiz a maior cagada da minha vida. Não estou na melhor fase. Meio sozinha. Cabeça cheia de caraminholas... E por ai vai.
Viram? Totalmente perdida.
Tenho medo do inserto. Tenho medo do futuro.
Agora chega de pensar.
--
P.s: não esqueci dos selinhos que ganhei, só ainda não encontrei o momento oportuno e de inspiração para posta-los :)

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails